Entrevistas

Gustavo Piqueira em entrevista

por Criazine 05 Nov 2015

REX_LUSOS_Gustavo_250815

À frente da Casa Rex, com sede em São Paulo e Londres já recebeu mais de 300 prêmios internacionais, é autor de 15 livros sobre temas diversos, todos marcados pela livre experimentação de texto, imagem e design.

Foi a agência do ano lusófona em design na 2ªEdição dos Prémios Lusos, nesta 3ªEdição é Presidente do Júri de Design, vamos falar com o Gustavo Piqueira!


 

O Gustavo é Presidente de Júri dos Lusos na categoria de Design. Que significado teve este convite?

O mais interessante dos Lusos, para mim, é a possibilidade de reunião de uma comunidade — a lusófona — que não se “reúne” habitualmente e que, mesmo unida por um laço tão forte quanto a língua, muitas vezes nem se enxerga como uma comunidade. Por isso iniciativas nesse sentido são muitíssimo bem-vindas. E o convite para presidir o júri de design dos Lusos uma grande honra.


Na última edição a Casa Rex ganhou o título de Agência do Ano de Design. Qual a importância que o prêmio teve?

Todos os prêmios que recebemos são, obviamente, motivo de orgulho. Mas sempre repito que meu maior orgulho não é pelas conquistas da Casa Rex, mas sim pelo modo como essas conquistas ocorreram. Não é tanto o “Que”, nem o “Quanto” e sim o “Como”.


O Design nunca esteve tanto na moda e uma das palavras de ordem é “Design Thinking”. A que se deve este fenómeno?

A meu ver, estar na moda é uma posição um tanto arriscada, e acredito que o uso excessivo de alguns termos (como Design Thinking) efetivamente “estejam na moda”. Ou seja: tornam-se, acima de tudo, expressões idiomáticas que algumas vezes surgem esvaziadas em seu conteúdo original. Contudo, creio que o avanço e a consolidação de uma cultura do design como um todo, independente de termos e expressões, é algo que vem ocorrendo com constância e solidez. E, na minha opinião, esse avanço irá ocorrer cada vez mais, pois o design responde, como poucos, às questões levantadas pelo mundo de hoje.


Fala-se muito em crise no Brasil, principalmente na propaganda. O Design também está sofrendo com esta crise?

Realmente o país como um todo vive uma crise política e econômica. Mas que será superada.


Como presidente de júri que critérios irá pedir aos seus jurados? O queserá preciso para vencer na categoria de Design?

Acredito que o corpo de jurados possui inegável competência para conseguir escolher os melhores projetos do ano, não será necessário que eu peça nada específico a eles não. E para vencer na categoria será preciso que as peças contemplem o Design em todas as suas dimensões: não apenas forma, não apenas função, não apenas ideia, não apenas execução.

Partilhar